Review: Buffy the Vampire Slayer – A mediana, porém divertida, Season 1

“This is BUFFY THE VAMPIRE SLAYER. Each one of those words is actually very important. One of them is funny, one of them is scary, one of them is action, that’s what the show is. The THE is not that important, but I’d like to keep it, because otherwise that’d be a weird title.” Joss Whedon

A Summer Season mal chegou e já comecei minha habitual maratona de séries antigas. A escolhida foi a primeira grande obra Joss Whedon na TV. Sempre achei Buffy The Vampire uma série muito divertida. Na adolescência, vira e mexe, via um episódio ou outro na FOX, porém, nunca fui um fã confesso do programa. Costumava encará-la apenas como uma série adolescente enlatada que sobrevivia às custas dos casos da semana, que alternavam entre vampiros e demônios, ignorando completamente o fato de que, por trás das aberrações de cada episódio, havia uma mitologia criativa e muito bem detalhada sobre a caçadora título e suas obrigações. Ou seja, nunca entendi muito bem aquele oba-oba todo em torno da série. Mas após me apaixonar incondicionalmente por Dollhouse, Firefly e Dr. Horrible’s Sing-Along Blog (criações de Joss Whedon, caso você esteve em outro planeta nos últimos 20 anos), minha opinião começou a mudar. Leia mais deste post

Anúncios