Review: As novas séries do fall season e os 5 episódios de tolerância – Parte 2

E lá vamos nós pra segunda semana do fall season. Mais estreias, ignorei algumas, vi outras, não adorei nenhuma. Já larguei de mão desse fall season, já que as séries que eu gostei ou vão ser canceladas ou são boas mais porque tudo foi ruim do que por serem muito boas de fato. De qualquer maneira, o que prestou semana passada passa pela prova de fogo das séries que é o segundo episódio e novos pilotos chegam, inclusive o mais esperado da temporada, a mega-blaster-milionária-produzida-por-Spielberg produção, Terra Nova. Mas ele passou bem longe de merecer toda a expectativa…

Comédias

Suburgatory – Não fosse os elogios do @nerdloser, eu nem saberia que essa série existia e meu Deus! Foi o piloto mais divertido do fall season até agora! Cumpriu bem seu propósito de apresentar os personagens, a história e todo o cenário do jeito mais criativo possível, as piadas são inspiradas (eu adoro a bebida gelada com café, hahaha) e os personagens bem legais. A garota manda bem – muito bom ela fingindo ser patricinha nojenta pro pai lá pra metade do episódio – e mesmo sendo uma leve forçada de barra o pai simplesmente resolver ir pro outro lado do país só porque achou camisinhas na gaveta da filha, valeu pelo conjunto da obra. Agora é ver no que vai dar. Só dá medo porque todas as piadas do piloto, apesar de boas, foram sobre o mesmo assunto. Espero que tenham uma boa direção pra história.
Tolerância: 5, bem fácil. Não sabia nada dessa série, fui sem esperar absolutamente nada e adorei.

How To Be a Gentleman – Fora as sitcoms que já passam atualmente (que são quantas, 3 ou 4 né?), sério… não dá MESMO pra continuar apostando nesse formato. Porque ou ele ficou uma porcaria de vez ou as duas que estrearam esse ano foram feitas por pessoas extremamente incompetentes. Essa How… bla bla conseguiu um feito: eu realmente não consegui terminar de ver o piloto. Mas não foi como em Ringer, que eu tive de sair e tudo, mas foi porque eu comecei a sentir uma dor indescritível no cerébro a cada minuto de episódio. Com medo de causar um dano cerebral irreversível em mim mesmo, optei pelo meu bem-estar e parei de ver depois de pouco mais de 10 minutos (que perigo…). Tá vai, falando sério… hã… ah não, quer saber? Me recuso a falar do que vi dessa série, sério, não merece comentários. Não merece audiência, não merece respeito, não merece porcaria nenhuma. Putz, como Mary Lynn Rajskub entrou nesse negócio? Como alguém aceitou fazer isso? COMO ESSA SÉRIE SAIU DO PAPEL???
Tolerância: Sério mesmo?

New Girl (1×02) – A série continua mega-forçada em absolutamente tudo, mas a boa notícia é que Zooey Deschanel está menos retardada. A outra boa notícia é que o novo ator que entrou no lugar do fulano Wayans é menos irritante, o único problema é que ele nem tem muita graça. Fiquei triste porque não teve nem menção do Douchebag Jar, que podia muito bem virar um personagem fixo na história e eu só não fiquei com vontade de matar a Jess pela frescura dela de parar o carro pra ir na casa do ex porque a mesma coisa aconteceu com Phoebe e sua neura de reencontrar o pai em Friends. O final é todo bonitinho, com ela falando que já ama os caras (???) e eles apoiando ela e desafiando o ex babaca (que, diga-se de passagem, é BEM babaca). Putz, foi um episódio legal de assistir, fluiu bem e eu nem vi o tempo passar. To me divertindo com a série, apesar dos problemas (e só a abertura já me faz ter vontade de ver a temporada inteira).
Tolerância: Vou dar 3 novamente e agora fechamos os 5 primeiros episódios pelo menos. Veremos se vai manter no nível ou – que ótimo seria – se vai melhorar.

Up All Night (1×02/03) – O @ZePicelli disse que o segundo episódio era legal, mas o terceiro era chatão. Putz… eu ADOREI os dois! Sério, a série vem melhorando consideravelmente depois daquele piloto meio bagunçado. As situações estão mais bacanas, as piadas mais focadas, Arnett e Applegate estão cada vez mais engraçados juntos, enfim… A série começa a mostrar a que veio, finalmente. Ri demais com os dois completamente inapropriados com a chegada dos novos vizinhos e no terceiro episódio, Maya Rudolph mandou muito bem. Vi até o dedo de Lorne Michaels na série, com aquele clipe tosco da Ava com o ex-namorado (que é ótimo, diga-se de passagem). Enfim, estou curtindo cada vez mais a série e a boa notícia é que ela, junto com New Girl, ganhou a temporada completa. Enquanto o bebê não crescer, Up All Night continua muito promissora…
Tolerância: Vou continuar com a tolerância de ver 5 episódios, porque to gostando e tudo, mas vai que a coisa desanda e a gente vê que esses dois outros episódios foram um golpe de sorte né…

____________________________________________________________________

Dramas

The Playboy Club (1×02) – Adorei o episódio, os personagens estão cada vez mais legais, a história tá começando a ficar mais interessante, to curtindo cada vez mais es… o que? Cancelaram? Sério mesmo? Ah…
Tolerância: Juro que eu tava pronto pra ver a temporada inteira já. Uma pena.

Person of Interest (1×02) – Meu Deus do céu, que episódio chato! Não sei dizer se foi só esse ou se o piloto também foi no mesmo nível e eu não percebi isso pela empolgação, mas afe, tinham passado 20 minutos de episódio e eu pensei que já tava acabando. Um caso que completamente desinteressante (“Ah, temos que salvar uma menina” “E onde ela está?” “Ah, ela deveria estar enterrada aqui” – NOSSA, que reviravolta incrível! #NOT), desenvolvido de uma maneira ainda mais desinteressante e confesso que tá começando a irritar o Jim Caviezel agir com todo mundo como se fosse o cara que sabe mais que todo mundo. Ele não parece com Jack Bauer que nem todo mundo falou, porque o Jack não era chato assim. A única coisa que pareceu levemente interessante foi a história de Finch, mas sei lá… deu uma caída revoltante de um episódio pra outro, espero que a coisa melhore.
Tolerância: Vou continuar com a tolerância de 5 episódios, afinal, ok, foi o segundo episódio, mas episódios chatos a gente vê sempre, hehe. Mas se continuar animadão desse jeito, nem Michael Emerson me faz continuar vendo.

E enfim, a grande estreia do fall season… ou não.

Terra Nova – Nunca é um bom sinal quando uma série é adiada mil vezes e seu alto custo é uma das suas características principais. A produção poderia animar, mas Falling Skies já mostrou que o nome de Spielberg nem sempre é sinônimo de qualidade na TV. E bom… não é mesmo. Terra Nova era a série mais aguardada desse fall season (por mim inclusive), achei a história legal, a presença dos dinossauros, com a produção de Spielberg, soava animadora e mais tarde descobri que Stephen Lang a.k.a. Coronel mothafucka de Avatar iria estar na série. Pois é… Engraçado como, tirando Lang (que é basicamente o coronel de Avatar que não morreu, só bateu a cabeça e está bonzinho agora) TUDO que me animou pra assistir é tudo de pior na série. A história na prática ficou meio tosca e tão original quanto aquele DVD que você comprou ontem numa barraquinha. Ela começa pegando carona na ideia de Wall-E do mundo tão absurdamente devastado que se tornou impossível de se viver e termina numa cruza de Avatar com Jurassic Park e todo e qualquer clichê de blockbusters do Spielberg.

É uma sucessão de erros no meio de coisas legais que acabam se perdendo. Primeiro, é plenamente aceitável que tenham explicações via tela futurista do que está acontecendo com o mundo numa animação, mas sério mesmo que fica uma TV futurista falando “Venham para Terra Nova, o lugar descoberto pelos cientistas depois que a Terra ficou completamente devastada pelo lixo e se tornou inabitável em tal ano” tipo, 24 HORAS POR DIA? E nem falo da fuga mega-forçada do cara, do moleque que deixa a namorada em 2149 e esquece ela assim que atravessa o portal pro passado ou a menininha ter ficado numa MALA um tempão #MaisaFeelings. Já em Terra Nova, vem a semelhança com Avatar: a gente antecipa o que os personagens vão dizer ou fazer assim que eles mostram como são. A família tem a mãe dedicada, o pai tentando se entender com os filhos depois de anos fora, o filho rebelde sem causa, a filha sabe-tudo e a criança, que num mundo onde tudo é tão absurdamente manjado, só serve pra se meter nos lugares errados na hora errada. Não, sério… eu queria muito estar brincando que os personagens são rasos desse jeito, queria mesmo.

Eu disse que a série tem um pouco de Jurassic Park também? Ok, minto, na verdade, tem um pouco de documentário fuleiro sobre dinossauros. Porque peloamordedeus, que bichos mal-feitos. Ainda mais por ter produção executiva do Spielberg, o cara que levou os animais pré-históricos mais realistas que já vi até hoje pro cinema, pensei que ia sair algo decente, pelo menos no piloto que custou US$ 20 milhões (!!). Mas to achando que essa grana foi pro almoço da equipe. Aí, quando você acha que já viu clichês o suficiente, o filho rebelde vai se divertir com a galeres da idade dele fora dos limites de Terra Nova e depois disso, nem precisava ver pra saber que depois deles explorarem o mundo mágico da pré-história, iam se meter onde não deviam, correrem grandes riscos e no final, o pai ia salvar o filho e o moleque ia passar a respeitar o pai e ver a importância da família. Putz, na boa…

Conste-se: comparei a série com Avatar, mas eu adorei Avatar. Adorei porque mesmo com todos os mil clichês na história, ela era contada do jeito mais envolvente possível e James Cameron apresentou um mundo simplesmente incrível para o espectador. Já Terra Nova se passa na pré-história e a civilização que os humanos fizeram ali é estragada pela cafonice (sério, esse negócio de “Nooooosa, uma laranja, elas deixaram de existir em 2100, sempre quis provar uma” não dá né gente… e o cara falando que foi beber com a galera e tipo, o negócio é feito de NOZ! HAHAHAHA). Enfim… poucas coisas divertem e é por essas poucas coisas que vou continuar assistindo, mas putz… foi uma decepção aterradora.

Tolerância: Com a audiência caindo mais e mais a cada episódio, nem vou dar uma cotação, porque já está sendo um prejuízo inacreditável pra Fox, então se a coisa não melhorar, vai ser um dos maiores #FAILs da TV nos últimos anos.

____________________________________________________________

Tá cada vez mais difícil esse fall season, vou te contar… Pelo jeito, só vai sobrar comédia pra acompanhar no final. E comédias que ainda não são tão excelentes assim. Uma pena. Agora, bora pra terceira semana que ela já começou!

2 Responses to Review: As novas séries do fall season e os 5 episódios de tolerância – Parte 2

  1. Zé Picelli disse:

    Jesus Cristo! Terra Nova é tão chato, mas TÃO chato que poderia ser vendido como um telefilme com exibição exclusiva para a Sessão da Tarde! Não consigo nem ler duas linhas sobre esse programa.

  2. mariana disse:

    mentira que The Playboy Club foi cancelada. Assim, no meio da temporada?! não vamos ter nem um final apressado? meu deus

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: