REVIEW: Adeus a Party Down

E mais uma série de Rob Thomas é cancelada. Com 20 episódios, Party Down encerra sua história em seu melhor momento. “Melhor momento sem Jane Lynch?” Sim. A série era tão boa que essa segunda temporada conseguiu sobreviver mesmo sem a excelente Constance.Ok, é claro que a presença de Megan Mullally na segunda temporada ajudou muito a curar aquele sentimento de abandono que surgiu quando Jane Lynch simplesmente deixou a série. Sem contar que ela disse adeus a Party Down DOIS EPISÓDIOS ANTES DE TERMINAR A PRIMEIRA TEMPORADA! E tudo isso por conta de Glee aka a-série-que-roubou-todos-os-prêmios-de-Modern-Family. Não menosprezando sua participação em Glee, já que Sue Sylvester é o que a série tem de melhor, mas convenhamos que Constance Carmell não fica muito atrás da treinadora da série usurpadora de prêmios, né?

Retomando o foco do post… Depois da ótima finale da primeira temporada, que contou com a participação de Kristen Bell (pausa), Party Down retornou mantendo seu alto nível, porém, com algumas mudanças. Don havia se demitido para abrir seu próprio negócio. Logo, Henry assumiu o posto de team leader do grupo. Mas, isso não dura muito tempo, já que Don vê que seu investimento foi por água abaixo e decide voltar para Party Down, retomando seu antigo posto de team leader, o que acaba sendo um alívio para Henry que, como fomos vendo ao decorrer da temporada em seu relacionamento com Casey, é um verdadeiro pau mandado.

Já Constance, como esperado, não retomou seu trabalho em Party Down. No lugar dela, decidiram tirar a bizarra Stifler’s Mom e substituí-la por Lydia (Megan Mullally), uma mãe divorciada amiga de todos e ótima em ocasionar aquelas cenas constrangedoras que a série tem de melhor.

Essa temporada teve alguns pontos baixos como o péssimo aproveitamento de Kristen Bell com o pouco tempo de tela que Uda teve em sua segunda aparição na série. Por outro lado, teve ótimos momentos como a peça improvisada na sala de Steve Guttenberg (Três Solteirões e um Bebê), Lydia drogada, as brigas de Kyle e Roman, o desespero de Don com sua  suposta masturbação disfuncional e, é claro, o retorno de Jane Lynch na finale da série para o casamento de Constance. A cena inicial do epiósdio é tão boa que sintetiza o que a série tem de melhor: o entrosamento do elenco. Para mim, as troca de olhares dos personagens entre uma cena e outra é a melhor prova desse entrosamento. Tudo é feito com uma naturalidade incrível, algo que é possível ver em The Office nas cenas de improviso de Steve Carell.

Party Down não era especialista em desenvolver seus personagens ao longo das tramas, mas era capaz de se aprofundar o suficiente para que pudéssemos nos importar com todos, sem excessões. É uma pena que ela tenha sido cancelada, mas já era algo esperado, afinal, a dobradinha “baixa audiência” e “pé frio de Rob Thomas” pede por um cancelamento. Vamos torcer  para que o piloto de um drama de espionagem corporativa que ele está escrevendo não fique apenas no papel.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: